quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Movimentações da Juventude na Europa e EUA

Artigo de Maurício Rands aborda a movimentação da juventude internacional contra os planos de Governo em meio à crise econômica na Europa e EUA.

Pernambuco 247
30/11/2011

Movimentações da Juventude na Europa e EUA

Maurício Rands

Em meio a uma crise financeira global que atinge especialmente os países europeus, ganham força as movimentações da juventude contra os planos econômicos dos governos vigentes e as duras medidas para reverter o quadro de recessão. O ano de 2011 foi marcado por protestos de jovens rebeldes na Espanha, França, Grécia, Portugal, Inglaterra e Estados Unidos. Percebe-se claramente que as manifestações estão ligadas ao colapso macroeconômico e que contam com a Internet como ferramenta fundamental de divulgação.

O desemprego atinge 20% da população na Espanha. Está desempregada a maioria dos 39% de jovens que têm Ensino Superior Completo. Em Madrid, ainda no último mês de maio, surgiu uma primeira grande mobilização da juventude contra a gestão do primeiro-ministro, José Luis Rodríguez Zapatero (Partido Socialista Operário Espanhol – PSOE). Por intermédio das mídias sociais (via internet), contrariou-se a lei que proíbe manifestações e protestos públicos poucos dias antes das eleições municipais. Mais de 30 mil manifestantes ocuparam a praça Puerta Del Sol. Barcelona, Valência, Sevilha e Bilbao também presenciaram ações que clamavam por empregos e mudanças na condução política do país. O M15, movimento dos jovens espanhóis, foi o precursor de toda a cadeia de revoltas que vem ocorrendo na região. A crítica ultrapassou a questão econômica, resvalando para a crítica do sistema político. Uma situação que se une as próprias bases do sistema democrático.

A posição firme contra os rumos que a Europa vêm tomando se alastrou por países que hoje passam pela mesma dificuldade da Espanha. Na França, Praça da Bastilha, aproximadamente 250 jovens se reuniram para se solidarizar com o movimento da juventude espanhola. Ainda que em proporção menor, os franceses deram o tom forte ao evento através de cartazes que alarmavam: Revolução Espanhola, povos da Europa se levantam. As lideranças cobravam por uma democracia de fato e recriminavam a democracia existente na França e na Espanha.

Recentemente, em outubro, a juventude da Grécia (empregados e desempregados) colocou-se em linha de guerra contra o que chama de destruição de direitos laborais, de aprofundamento da exploração e degradação profunda das condições de vida de quem trabalha. Já não é segredo para ninguém o atual estado vivenciado pelos gregos. A dívida do país está na casa dos 300 bilhões de Euros, o déficit do orçamento grego alcançou 13,6% do PIB em 2009 índice quatro vezes superior ao permitido pelas regras da chamada Zona do Euro. Cortar gastos e aumentar impostos são objetivos certos dentro do pacote de austeridade aprovado pelo parlamento.

Portugal seguiu o mesmo caminho da Grécia e solicitou ajuda da União Européia para financiar a dívida pública. A juventude portuguesa definiu posição crítica em relação aos encaminhamentos políticos. Revelam um incômodo profundo com os excessos do mercado financeiro e sua falta de compromisso com o bem estar dos povos. Consideram que o governo português está entregando “a soberania nacional aos ditames da União Européia e do FMI”.

Chama atenção a franqueza do presidente da Federação Mundial da Juventude Democrática, o português Tiago Vieira, em recente entrevista. Ele fala que os jovens da Europa têm sido muito atacados em seus direitos e chegou a comparar a geração do século XXI com a geração do século XIX ao citar a negação dos mais básicos direitos, a precariedade e o desemprego como elementos centrais da vida do jovem europeu.

Um sentimento sintonizado dos manifestantes do Occupy Wall Street, em Nova York e Washington com os jovens de Puerta Del Sol, em Madrid. Uma justa indignação contra a tolerância e a exclusão que impele a ação dos moradores das periferias de Londres e Paris, todos vítimas de modelos incapazes de incluí-los em plenitude.

Na jornada “Unidos por uma Mudança Global”, os jovens ingleses intensificaram os protestos em agosto e chegaram ainda no início deste mês ao centro do país. A juventude enfrentou a polícia incendiando carros, prédios e ônibus vazios, levantando barricadas nas ruas, atacando lojas de luxo e agências bancárias. O levante ocorreu contra as políticas de gestão implementadas pelo primeiro-ministro, David Cameron, em resposta à crise econômica. Semelhante aos movimentos ocorridos em países latinos, Chile e Colômbia, os jovens ingleses também se insurgem contra os cortes na Educação.

Subjacentes todas essas manifestações, pode-se identificar descontentamentos com três grandes tendências do mundo atual:

a) Desequilíbrios fiscais que ameaçam direitos do bem estar social e ampliam a exclusão;

b) Intolerância diante da grande diversidade cultural, étnica e religiosa das populações das grandes cidades;

c) Desconforto diante de um sistema financeiro cujas lógicas imediatistas não têm compromisso com o equilíbrio econômico, social e ambiental do planeta.

O desafio para as próximas décadas será o da criação de novos modelos capazes de reverter as tendências acima identificadas. Novamente, são movimentos como os das juventudes européias e americana que lançam o desafio: um outro mundo é possível.

Crédito: Ricardo Fernandes.
Blog Archive

Blog Archive

About Me

Minha foto
Assessoria de Comunicação
Recife, Pernambuco, Brazil
Maurício Rands, recifense, advogado e professor universitário, 50 anos, casado, dois filhos, eleito em 2010 para o terceiro mandato de deputado federal, pelo Partido dos Trabalhadores, representando Pernambuco. Está licenciado do cargo. Atualmente, assume a Secretaria do Governo na gestão do governador Eduardo Campos.
Visualizar meu perfil completo

Livro de Maurício Rands

Livro de Maurício Rands
Labour Relations and the New Unionism in Contemporary Brazil
Ocorreu um erro neste gadget

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget