sábado, 24 de abril de 2010

Entrevista de Maurício Rands ao Diário Catarinense: MAIS VAGAS NAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS COM O FIM DA DUPLA MATRÍCULA


Em entrevista ao DIÁRIO CATARINENSE o deputado Maurício Rands fala sobre a Lei 12.089/09, de sua autoria, que proíbe que um aluno matricule-se, ao mesmo tempo, em duas instituições públicas de ensino superior. Para o deputado Maurício Rands, não é justo que duas vagas financiadas pelo poder público, à custa dos tributos pagos pelos cidadãos, sejam preenchidas, em mais de 90% dos casos, por quem posteriormente abandona um dos cursos. Ainda mais quando se sabe que a imensa maioria dos brasileiros não tem como pagar os próprios estudos.

- O texto de lei não fala em nenhuma punição para a instituição que permitir que o estudante curse em outra universidade pública. O que aconteceria com essa universidade? E com o aluno? Além de perder a matrícula, caberia o responsável que, deliberadamente, infringir a Lei alguma outra medida contra ele?

Pode ser punida a pessoa física responsável, na instituição, pelo cumprimento das leis, entre elas, a Lei 12.089/09 ou qualquer outra norma legal que deva obedecer em função do cargo que ocupa. Assim, o servidor da instituição que permitir a efetivação de uma matrícula, sabendo ser ela ilegal, poderá estar cometendo crime de prevaricação, previsto no Código Penal, que prevê pena de detenção e multa. Além disso, o responsável pela matrícula ilegal poderá perder o cargo público e ainda responder por danos a terceiros (alunos que deixaram de fazer o curso em razão da matrícula ilegal). Quanto ao aluno que fez a matriculou ilegal, além da perda da vaga, pode responder por danos causados a quem teria direito a ela.

- Como e por quem será feita essa fiscalização?

O MEC, as instituições de ensino público superior, a ANDES – Associação de Docentes do Ensino Superior, as associações de pais de alunos e de alunos em situação de remanejamento (como o GARE), entre outras entidades, além do Ministério Público Federal, que é o órgão constitucionalmente responsável pela fiscalização das leis federais, podem e devem fiscalizar a listagem dos alunos matriculados para apontar casos de dupla ocupação ilegal de vagas.

- De que maneira será possível ver que o estudante está matriculado em duas instituições públicas?

Algumas instituições públicas de ensino superior, mesmo antes da Lei 12.089/09, já tinham a prática de trocar informações, justamente para dissuadir a dupla matrícula. Com a nova Lei, agora elas podem legalmente coibir essa prática com simples troca de informações e de cruzamentos de dados de matriculas. Além do mais, é bom lembrar que os alunos que estão próximos de serem remanejados estarão ainda mais atentos e certamente vão reclamar se alguma ocorrer alguma matrícula ilegal.

- A lei não é um pouco arbitrária por impedir que aquele estudante dedicado e esforçado curse dois cursos em universidades públicas diferente? Por que?

O direito individual de uma pessoa termina onde começa o outro. Não existem vagas públicas ilimitadas. Logo, o Estado pode, sim, estabelecer critérios para distribuí-las. Por isso, os reitores das universidades públicas do país, por unanimidade, apóiam essa lei, cujo objetivo é ampliar a oferta de vagas nas instituições públicas. Trata-se de um interesse do conjunto da sociedade brasileira. E quanto à questão que você coloca, de que a lei seria arbitrária por impedir que o estudante dedicado e esforçado não possa fazer dois cursos, lembro que os alunos que estão na condição de remanejamento não são menos dedicados e esforçados. O que os separam, muitas vezes, são alguns décimos ou centésimos na pontuação, muitas vezes por sorte de um e azar de outro. O mais importante é avaliar se é justo que duas vagas financiadas pelo poder público, à custa dos tributos pagos pelos cidadãos, sejam preenchidas, em mais de 90% dos casos, por quem posteriormente abandona um dos cursos. Ainda mais quando se sabe que a imensa maioria dos brasileiros não tem como pagar os próprios estudos. A Lei, nesse sentido, está em sintonia com a política de ampliação das vagas das federais pelo governo do presidente Lula, que eram 113 mil em 2003 e serão 227,6 mil neste ano. Com essa nova lei, dezenas de milhares de novas vagas surgirão.

- Após a sanção da lei foi conversado alguma coisa com o MEC?

O Ministro da Educação teve encontros com os reitores e com a ANDES – Associação Nacional de Docentes do Ensino Superior e outras entidades para, entre outros assuntos, tratar de procedimentos visando o controle de ocupação das vagas. O Poder Executivo poderá regulamentar a lei, com detalhes sobre sua aplicação.
sexta-feira, 23 de abril de 2010

PEC 416 - SISTEMA NACIONAL DE CULTURA É APROVADO NA COMISSÃO ESPECIAL, COM PREVISÃO DE MAIS RECURSOS PARA O SETOR

A comissão especial que analisa a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 416/05, que institui o Sistema Nacional de Cultura, aprovou (14/04) o substitutivo do deputado Paulo Rubem Santiago (PDT-PE) ao texto. A principal modificação foi a inclusão de dispositivo que estabelece como um dos princípios do sistema “a ampliação progressiva dos recursos contidos nos orçamentos públicos para a cultura”. De autoria do deputado Paulo Pimenta (PT-RS), a PEC segue para votação em dois turnos no Plenário.

De acordo com o relator, o texto está em harmonia com um conjunto de propostas já aprovadas ou que estão em tramitação no Congresso, como o PL 6835/06 (Plano Nacional de Cultura), o PL 5798/09 (Vale-Cultura) e a PEC 150/03, que vincula recursos orçamentários à cultura. Esta última está pronta para ser votada em Plenário e obriga a União a destinar 2% de seu orçamento ao setor; os estados, pelo menos 1,5%; e os municípios, no mínimo 1%.

Integração - Os recursos vindos do setor público devem se somar às verbas provenientes do incentivo fiscal da Lei Rouanet, que também está sendo revista. Assim, será possível tirar do papel o discurso de que a cultura é importante.

Pelo texto, o Sistema Nacional de Cultura terá as responsabilidades divididas entre União, estados e municípios, funcionando de forma semelhante ao Sistema Nacional de Saúde (SUS).

Sistema frágil - Para o deputado José Fernando Aparecido de Oliveira (PV-MG), a integração poderá corrigir uma situação que, em sua opinião, é inadmissível: o fato de menos de 5% dos municípios brasileiros terem órgãos responsáveis pela cultura. Na avaliação de Professor Sétimo (PMDB-MA), mesmo com a expectativa de avanços no setor, a cultura só chegará efetivamente a todos os segmentos e classes sociais se houver a municipalização do sistema, com o repasse direto dos recursos aos municípios.

Presidente da comissão especial, o deputado Maurício Rands (PT-PE), destacou a ampla participação da sociedade na elaboração do Sistema Nacional de Cultura e do Plano Nacional de Cultura e defendeu uma maior descentralização na aplicação dos recursos, atualmente concentrado em 80% no Rio e em São Paulo.

RANDS SAI NA FRENTE DE EDUARDO E APRESENTA PROJETO PARA PRORROGAR LICENÇAS DA CHESF

Energia para dar e vender


O deputado federal Maurício Rands, do PT, disse ao Blog de Jamildo que acaba de apresentar dois projetos de lei na Câmara dos Deputados para assegurar a manutenção das licenças da Chesf, para a operação de usinas de geração e transmissção.

Um deles defende a prorrogação das concessões por 30 anos e o outro por tempo indeterminado.

“Com isto, afastamos a sombra privatista sobre a empresa”, explica o deputado, que já foi advogado do sindicato dos urbanitários. “Do contrário, em 2015 a Chesf seria de fato esvaziada”.

A defesa da mesma ideia foi feita pelo governador Eduardo Campos, no Palácio do Governo, depois da visita do ministro das Minas e Energia, Márcio Zimmermann. Com a manobra, os petistas e socialistas querem dar uma resposta às críticas dos tucanos e democratas, cobrando o suposto esvaziamento da estatal, no processo de reestruturação da Eletrobrás.

O deputado federal Maurício Rands, diz não ver conflito entre as mudanças e o fortalecimento do sistema.

“Talvez não tenha ficado garantido explicitamente para nós que a empresa de geração deve e vai continuar como um ente forte do desenvolvimento regional”. Nós queremos uma Chesf forte, como queremos uma Eletrobras forte. Não é um jogo de soma zero. Por isto, eu acho que foi muito positivo esse movimento do sindicato, despertando o problema. A Chesf tem que ter um poder decisório estratégico”, defendeu.

VOTAÇÃO DE RECURSOS PARA SOCORRER POPULAÇÕES ATINGIDAS POR ENCHENTES É TRANCADA PELA OPOSIÇÃO AO GOVERNO LULA

O deputado Maurício Rands (PT-PE) criticou a “impressionante disposição da oposição, na Câmara dos Deputados, de ficar contra”. Segundo Rands, a MP atende casos de calamidade pública, pois prevê assistência e atendimento médico de urgência a populações atingidas por enchentes. “A MP defende vidas, porque prevê obras de abastecimento e de saneamento, unidades de pronto atendimento (UPAs), recuperação da malha rodoviária, que é importante para salvar pessoas, pois nem toda cidade tem hospital”, afirmou.

José Genoíno (PT-SP) disse estranhar o combate à MP. “Foi a própria oposição que nos propôs votar antes a MP 477, dizendo considerá-la necessária a muitos projetos em curso no País; nós concordamos, fecharmos o acordo, e agora nos deparamos com essa guerrinha de marcação de posição”, afirmou.

Direitos humanos: Rands defende que violações aos direitos humanos durante a ditadura sejam esclarecidas

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, afirmou que o anteprojeto de lei que define a composição e as atribuições da chamada Comissão da Verdade, que avaliará as violações de direitos humanos ocorridas durante a ditadura militar no Brasil está pronto. A comissão faz parte do terceiro Plano Nacional de Direitos Humanos (PNDH-3), aprovado em dezembro do ano passado. Segundo Jobim, a proposta deverá evitar que o grupo faça uma investigação “unilateral”, que contrarie o disposto na Lei da Anistia, de 1979. “Se o acordo feito na época foi bem feito ou mal feito, isso não está em discussão. A questão é que temos de olhar para a frente, não para trás”, argumentou. O anteprojeto será ainda examinado pela Casa Civil da Presidência da República e por outros ministérios. Só depois disso o Executivo deverá finalizar o projeto a ser enviado para a análise do Congresso. Composição - O deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) afirmou que deverá trabalhar para que a composição do grupo seja equilibrada entre representantes pró e contra o regime militar, em consonância com a Lei da Anistia. Já o deputado Maurício Rands (PT-PE) acredita que o pacto de 1979 atrasou o esclarecimento das violações feitas aos direitos humanos durante a ditadura. “O sentimento exposto no plano não é de revanchismo. Precisamos compreender esse momento triste em que o Estado sufocou a democracia, porque só se constrói o futuro com o conhecimento profundo do passado”, disse. Agricultura - Durante a reunião, Jobim disse que o PNDH-3 extrapolou o tema de direitos humanos. O ministro citou alguns aspectos que, segundo ele, não deveriam ser tratados no plano. Entre eles, estão o fomento à agricultura familiar, o apoio a catadores de materiais reciclados, a descriminalização do aborto e o condicionamento do repasse de verbas federais a estados e municípios. “Esses temas compõem um amplo programa governamental - não somente um plano de direitos humanos”, avaliou. A reintegração de posse de terras ocupadas por movimentos sociais também foi debatida durante a audiência pública. Segundo o PNDH-3, passa a ser obrigatória a realização de audiência prévia com os envolvidos em conflitos agrários antes de decisões judiciais de reintegração. A mudança é polêmica e já provocou debates dentro do próprio governo. Para Nelson Jobim, o Congresso Nacional deve definir novas normas para o caso. Ele afirmou que a falta de regulamentação do tema faz com que juízes e policiais resolvam os conflitos entre donos de terras e invasores de formas diversas em cada caso. “Não sei qual é a melhor solução, mas sei que deve haver debates sobre o tema no Congresso Nacional”, disse.
Blog Archive

Blog Archive

About Me

Minha foto
Assessoria de Comunicação
Recife, Pernambuco, Brazil
Maurício Rands, recifense, advogado e professor universitário, 50 anos, casado, dois filhos, eleito em 2010 para o terceiro mandato de deputado federal, pelo Partido dos Trabalhadores, representando Pernambuco. Está licenciado do cargo. Atualmente, assume a Secretaria do Governo na gestão do governador Eduardo Campos.
Visualizar meu perfil completo

Livro de Maurício Rands

Livro de Maurício Rands
Labour Relations and the New Unionism in Contemporary Brazil
Ocorreu um erro neste gadget

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget