sábado, 24 de abril de 2010

Entrevista de Maurício Rands ao Diário Catarinense: MAIS VAGAS NAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS COM O FIM DA DUPLA MATRÍCULA


Em entrevista ao DIÁRIO CATARINENSE o deputado Maurício Rands fala sobre a Lei 12.089/09, de sua autoria, que proíbe que um aluno matricule-se, ao mesmo tempo, em duas instituições públicas de ensino superior. Para o deputado Maurício Rands, não é justo que duas vagas financiadas pelo poder público, à custa dos tributos pagos pelos cidadãos, sejam preenchidas, em mais de 90% dos casos, por quem posteriormente abandona um dos cursos. Ainda mais quando se sabe que a imensa maioria dos brasileiros não tem como pagar os próprios estudos.

- O texto de lei não fala em nenhuma punição para a instituição que permitir que o estudante curse em outra universidade pública. O que aconteceria com essa universidade? E com o aluno? Além de perder a matrícula, caberia o responsável que, deliberadamente, infringir a Lei alguma outra medida contra ele?

Pode ser punida a pessoa física responsável, na instituição, pelo cumprimento das leis, entre elas, a Lei 12.089/09 ou qualquer outra norma legal que deva obedecer em função do cargo que ocupa. Assim, o servidor da instituição que permitir a efetivação de uma matrícula, sabendo ser ela ilegal, poderá estar cometendo crime de prevaricação, previsto no Código Penal, que prevê pena de detenção e multa. Além disso, o responsável pela matrícula ilegal poderá perder o cargo público e ainda responder por danos a terceiros (alunos que deixaram de fazer o curso em razão da matrícula ilegal). Quanto ao aluno que fez a matriculou ilegal, além da perda da vaga, pode responder por danos causados a quem teria direito a ela.

- Como e por quem será feita essa fiscalização?

O MEC, as instituições de ensino público superior, a ANDES – Associação de Docentes do Ensino Superior, as associações de pais de alunos e de alunos em situação de remanejamento (como o GARE), entre outras entidades, além do Ministério Público Federal, que é o órgão constitucionalmente responsável pela fiscalização das leis federais, podem e devem fiscalizar a listagem dos alunos matriculados para apontar casos de dupla ocupação ilegal de vagas.

- De que maneira será possível ver que o estudante está matriculado em duas instituições públicas?

Algumas instituições públicas de ensino superior, mesmo antes da Lei 12.089/09, já tinham a prática de trocar informações, justamente para dissuadir a dupla matrícula. Com a nova Lei, agora elas podem legalmente coibir essa prática com simples troca de informações e de cruzamentos de dados de matriculas. Além do mais, é bom lembrar que os alunos que estão próximos de serem remanejados estarão ainda mais atentos e certamente vão reclamar se alguma ocorrer alguma matrícula ilegal.

- A lei não é um pouco arbitrária por impedir que aquele estudante dedicado e esforçado curse dois cursos em universidades públicas diferente? Por que?

O direito individual de uma pessoa termina onde começa o outro. Não existem vagas públicas ilimitadas. Logo, o Estado pode, sim, estabelecer critérios para distribuí-las. Por isso, os reitores das universidades públicas do país, por unanimidade, apóiam essa lei, cujo objetivo é ampliar a oferta de vagas nas instituições públicas. Trata-se de um interesse do conjunto da sociedade brasileira. E quanto à questão que você coloca, de que a lei seria arbitrária por impedir que o estudante dedicado e esforçado não possa fazer dois cursos, lembro que os alunos que estão na condição de remanejamento não são menos dedicados e esforçados. O que os separam, muitas vezes, são alguns décimos ou centésimos na pontuação, muitas vezes por sorte de um e azar de outro. O mais importante é avaliar se é justo que duas vagas financiadas pelo poder público, à custa dos tributos pagos pelos cidadãos, sejam preenchidas, em mais de 90% dos casos, por quem posteriormente abandona um dos cursos. Ainda mais quando se sabe que a imensa maioria dos brasileiros não tem como pagar os próprios estudos. A Lei, nesse sentido, está em sintonia com a política de ampliação das vagas das federais pelo governo do presidente Lula, que eram 113 mil em 2003 e serão 227,6 mil neste ano. Com essa nova lei, dezenas de milhares de novas vagas surgirão.

- Após a sanção da lei foi conversado alguma coisa com o MEC?

O Ministro da Educação teve encontros com os reitores e com a ANDES – Associação Nacional de Docentes do Ensino Superior e outras entidades para, entre outros assuntos, tratar de procedimentos visando o controle de ocupação das vagas. O Poder Executivo poderá regulamentar a lei, com detalhes sobre sua aplicação.
Blog Archive

Blog Archive

About Me

Minha foto
Assessoria de Comunicação
Recife, Pernambuco, Brazil
Maurício Rands, recifense, advogado e professor universitário, 50 anos, casado, dois filhos, eleito em 2010 para o terceiro mandato de deputado federal, pelo Partido dos Trabalhadores, representando Pernambuco. Está licenciado do cargo. Atualmente, assume a Secretaria do Governo na gestão do governador Eduardo Campos.
Visualizar meu perfil completo

Livro de Maurício Rands

Livro de Maurício Rands
Labour Relations and the New Unionism in Contemporary Brazil
Ocorreu um erro neste gadget

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget