terça-feira, 6 de março de 2012

Governo apresenta PPP do Saneamento para TCE e Sinduscon

Durante o mês de março, o presidente da Compesa, Roberto Tavares, reservou espaço em sua agenda para debater o projeto de Parceria Público-Privada (PPP) do Saneamento com a sociedade civil organizada. Os primeiros debates ocorreram hoje (5), quando foi feita apresentação sobre o tema para os conselheiros do Tribunal de Contas do Estado (TCE) e para o Sindicato da Indústria da Construção Civil de Pernambuco (Sinduscon). Os encontros estão sendo realizados em atendimento à recomendação do governador Eduardo Campos, que incumbiu o secretário de Governo, Mauricio Rands, e o titular da Compesa para executar essa missão. “A intenção é ampliar o debate sobre a PPP com a sociedade e colher contribuições para o edital, que está em elaboração e que deverá ser publicado até o final do mês”, adiantou o secretário Maurício Rands.

A PPP prevê o atendimento de 14 municípios da Região Metropolitana do Recife, mais a cidade de Goiana, na Mata Norte, beneficiando 3,7 milhões de pessoas.

A PPP prevê investimentos públicos e privados de R$ 4,3 bilhões na execução das obras necessárias para atendimento aos 15 municípios no prazo de 12 anos, saindo dos atuais 30% de cobertura para 90%. Em sua explanação, Roberto Tavares contextualizou a situação do esgotamento sanitário brasileiro, onde 22 estados apresentam uma cobertura inferior aos 40%. Em Pernambuco, a realidade não é diferente, com um percentual de 20% de cobertura em todo Estado. Apenas dois Estados brasileiros apresentam mais de 70% de cobertura (São Paulo e Brasília) e três detêm  percentuais que variam de 40 a 70% (Rio de Janeiro, Paraná e Minas Gerais). “Esses índices comprovam que o modelo vigente não está mais adequado ao momento de desenvolvimento que o Brasil vivencia, em particular o estado de Pernambuco”, argumentou o presidente da Compesa, lembrando que nos últimos cinco anos, o Governo do Estado já investiu R$ 1,8 bilhão em obras de água e esgoto.

Segundo Tavares, mesmo com esse volume histórico de investimentos, ainda existem muitos desafios, não só na questão do abastecimento de água, mas principalmente na área de esgotamento sanitário, onde os governos precisam avançar. “Pernambuco está apresentando este modelo de parceria com a iniciativa privada, mas se esta não é a melhor proposta para executar as obras que faremos em 12 anos (quando levaríamos 50 anos para executar), que apareça outra solução”, propõe Tavares. Ainda de acordo com o presidente, conviver com a ausência de coleta e tratamento de esgoto é uma realidade  que não é mais aceitável.

Para ilustrar o quadro caótico do saneamento no cenário nacional, Roberto Tavares informou os dados do Datasus 2008, apontando que morrem 45 crianças até 14 anos de idade, por um grupo de 100 mil/habitantes por ano, por doenças  provocadas por infecções gastrointestinais nos estados onde só existem 30% de cobertura de esgoto. Entre as doenças mais freqüentes estão amebíase, diarréia e gastroenterite. “Fizemos as contas e chegamos a uma dura e cruel realidade: 1.665 crianças morrem por ano pela ausência de saneamento básico e o Governo quer mudar essa realidade”, revelou Tavares. Dados da Organização Mundial de Saúde mostram que, a cada R$ 1 investido em saneamento básico, gera-se uma economia de R$ 4,00 com assistência médica. “Estimamos gerar uma economia de R$ 17,2 bilhões em 12  anos, liberando esses recursos para outras frentes importantes de atuação no Estado”, estimou.

A meta do governo pernambucano é sair dos 30% atuais e atingir 90% de cobertura em 12 anos nos municípios que serão beneficiados. “Atingimos 30% em 50 anos. Para triplicar o que foi feito em cinco décadas em apenas 12 anos, precisaríamos de um volume de investimento de 5% ano, sendo necessários aplicar R$ 4,3 bilhões, recursos que nenhuma companhia de saneamento brasileira tem como captar”, assegurou Tavares. Ele disse ainda que a ideia do governo não é desconstruir e ignorar o passado, mas evoluir, ser mais eficiente, aprimorar, alavancar o que já existe, transferir tecnologia e capacitar.

Modelo de negócio de sucesso no Brasil e Exterior

Na opinião do secretário de Governo, Maurício Rands, esperar 50 anos por falta de recursos para executar obras imprescindíveis para melhoria da qualidade de vida da população é uma visão ultrapassada do Estado. “Pernambuco se transformou numa locomotiva do desenvolvimento nacional e não pode continuar com os pífios 30% de cobertura de esgoto. Por isso precisamos imprimir a velocidade necessária para materializar as obras que o povo precisa”, observou.

Segundo Rands, o projeto da PPP do Saneamento não é uma ação de Governo, mas de Estado, porque enxerga a solução do problema a longo prazo. O secretário lembrou que as experiências de PPP em Pernambuco estão sendo exitosas, lembrando as do Paiva, Presídio de Itaquitinga e Arena da Copa. “Devemos tratar o tema como prioridade da pauta política brasileira”, finalizou.

TCE - A presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Teresa Duere, agradeceu porque o debate foi iniciado pela instituição, que tem todo o interesse em discutir o assunto. “A iniciativa do governo em abrir a discussão para a sociedade é louvável. O projeto será apreciado pela equipe técnica do TCE”, afirmou.

Sinduscon - Para o presidente do Sinduscon, Gustavo Miranda, o encontro realizado esta tarde foi proveitoso e avaliou que o modelo de PPP do Saneamento é viável. “Trata-se de uma alternativa moderna em que o Estado precisa dividir as responsabilidades com a iniciativa privada para realizar grandes projetos que o governo não tem condições de assumir em benefício da coletividade”, complementou.

Foto: Compesa/Divulgação.
Blog Archive

Blog Archive

About Me

Minha foto
Assessoria de Comunicação
Recife, Pernambuco, Brazil
Maurício Rands, recifense, advogado e professor universitário, 50 anos, casado, dois filhos, eleito em 2010 para o terceiro mandato de deputado federal, pelo Partido dos Trabalhadores, representando Pernambuco. Está licenciado do cargo. Atualmente, assume a Secretaria do Governo na gestão do governador Eduardo Campos.
Visualizar meu perfil completo

Livro de Maurício Rands

Livro de Maurício Rands
Labour Relations and the New Unionism in Contemporary Brazil
Ocorreu um erro neste gadget

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget